Pesquisador da UFF está entre os mais influentes do planeta

Informação é de uma pesquisa de revista britânica

O docente do Departamento de Economia da Universidade Federal Fluminense, Roldan Petro Muradian Sarache, está entre os pesquisadores mais influentes do mundo, de acordo com a pesquisa produzida pela consultoria britânica Clarivate Analytics. Divulgada anualmente desde 2014, a lista Highly Cited Research é elaborada a partir de uma análise quantitativa de citações de artigos publicados por um pesquisador ao longo de uma década, utilizando a plataforma Web of Science. Os 6216 profissionais selecionados em 21 áreas do conhecimento pertencem ao grupo dos 1% de cientistas que mantiveram as mais altas médias de citações durante esse período.

Muradian, que teve 27 publicações científicas analisadas pela consultoria inglesa, explica que o número de citações é um critério importante na ciência, pois indica o grau de influência das publicações e a consequente relação com a qualidade e grau de inovação da pesquisa. Segundo ele, para as universidades brasileiras, o aumento  do número de pesquisadores com alta influência global é muito importante. “O baixo impacto internacional é um problema estrutural no país devido a uma série de fatores. Minha avaliação é de que a pesquisa no Brasil é de qualidade, mas ainda tem pouca projeção internacional”, analisa.

O professor da UFF atua na graduação e pós-graduação e é especialista em Economia Agrária com ênfase em Economia dos Recursos Naturais. Sua área de pesquisa é a economia ecológica, trabalhando principalmente nos seguintes temas: pagamentos por serviços ambientais, comércio e meio-ambiente, governança ambiental, globalização e migração.

Além de Roldan Muradian, outros 14 pesquisadores brasileiros estão mencionados no ranking internacional; Adriano Gomes Cruz (Instituto Federal do Rio de Janeiro – IFRJ), Alvaro Avezum (Instituto Dante Pazzanese de Cardiologia), Cesar G. Victora (Universidade Federal de Pelotas); Flavio Kapczinski (Universidade Federal do Rio Grande do Sul), Henriette M. C. de Azeredo e Renata Valeriano Tonon (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária – Embrapa), José A. Marengo (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais – Inpe), Mauro Galetti (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp), Miriam D. Hubinger (Universidade Estadual de Campinas – Unicamp). Além desses, cinco pesquisadores são da Universidade de São Paulo (USP): Andre Russowsky Brunoni e Renata Bertazzi Levy, da Faculdade de Medicina (FM); Houtan Noushmehr, da Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto (FMRP); Paulo Eduardo Artaxo Netto, do Instituto de Física (IF); e Carlos Augusto Monteiro, da Faculdade de Saúde Pública (FSP).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s